Concert Jazz

Ricardo Toscano Trio · Rabih Abou-Khalil & Joachim Kühn feat. Jarrod Cagwin

Outono em Jazz

Ricardo Toscano Trio Featuring Special Guest Ali Jackson

Ricardo Toscano saxofone alto

Géraud Portal contrabaixo

Justin Faulkner bateria

Há por todo o mundo uma nova geração de músicos que está a tocar essa música a que chamamos jazz com o mesmo nível de autenticidade que tornou os seus maiorais históricos naquilo que ouvimos nos discos que deixaram gravados. Ao mesmo tempo, dão novos passos mais adiante nas estéticas que abraçaram, encontrando na tradição os motivos para fazer algo mais. O português Ricardo Toscano, o francês Géraud Portal e o norte-americano Ali Jackson contam-se entre eles – tê-los num mesmo grupo tem, pois, a naturalidade das coisas que estavam predestinadas. Todos os três aderiram a esta linguagem musical muito cedo nas suas vidas, revelando capacidades invulgares, e todos eles vieram introduzir uma lufada de ar fresco numa música que alguns erradamente diagnosticaram como morta.

Acima de tudo, é uma questão de atitude que neles reconhecemos. Podemos descrever esta como um “estamos aqui” sem medos nem desculpas e também como uma aposta num continuado trabalho de pesquisa. Uma pesquisa que não é só de técnicas e gramáticas e que não é só de si mesmos, como pessoas e artistas: o que fazem igualmente é inventar um futuro no próprio acto de vasculhar no baú do passado. Assim não seria se simplesmente se dedicassem a reproduzir o que já foi feito. Toscano, Portal e Jackson não são agentes passivos do jazz, estão aqui para deixar a sua marca.

A paixão de Ricardo Toscano pelos legados de Charlie Parker, Cannonball Adderley, John Coltrane e Ornette Coleman não o tornou num seguidor, e sim num continuador. Mais do que isso, num praticante do “stretching”, que é a arte de aumentar um determinado campo de acção para zonas antes não ocupadas. Fá-lo com o seu quarteto, a exemplo do que encontramos no álbum “Ricardo Toscano Quartet” (Clean Feed), com as participações que vai tendo em outros projectos (LUME, Sexteto de Jazz de Lisboa, etc.) e ainda por meio das parcerias que estabelece com livre-improvisadores como Rodrigo Amado ou Gabriel Ferrandini.

A referência em Charles Mingus de Géraud Portal como contrabaixista, e em Miles Davis e Bill Evans enquanto compositor, conduziram-no até à luminária do free jazz David S. Ware e muito especialmente a um membro do grupo deste já desaparecido saxofonista, William Parker, habilitando-o a colaborações com personalidades tão distintas quanto Gary Bartz, Kirk Lightsey, Ary Hoenig ou Stéphane Belmondo e à concepção de um disco tão vital na cena contemporânea como “Brothers” (Gaya Music Production), a meias com Etienne Déconfin.

Proveniente de Detroit onde nasceu em 1976 mas atualmente a residir em Nova Iorque, Ali Jackson é filho do lendário contrabaixista e docente Ali Muhammad Jackson, Sr. Ali Jackson ocupou a cadeira de baterista da consagrada Jazz at Lincoln Center Orchestra liderada por Wynton Marsalis durante mais de uma década e durante a sua carreira gravou com músicos como James Carter, Dee Dee Bridgewater, Aretha Franklin, George Benson, Harry Connick Jr., Marcus Roberts, Cyrus Chestnut, Joshua Redman, Kurt Rosenwinkel e Diana Krall.

 


Rabih Abou-Khalil & Joachim Kühn feat. Jarrod Cagwin “Journey to the Centre of An Egg”

Rabih Abou-Khalil oud

Joachim Kühn piano

Jarod Cagwin percussão

O libanês Rabih Abou-Khalil afirmou-se como intérprete e compositor de topo mundial, com uma abordagem sem restrições que combina música tradicional árabe com a música clássica ocidental e o jazz, construindo uma linguagem que rompe os idiomas musicais existentes. Traz à Casa da Música o seu aclamado trio, com o pianista alemão Joachim Jühn – músico que lançou cerca de 60 discos como líder e sideman - e o ecléctivo percussionista Jarod Cagwin, afincado estudioso das técnicas de percussão do Médio Oriente e de África Ocidental. Juntos revisitam um aclamado disco lançado em 2004, Journey to the Centre of an Egg, uma viagem por várias partes do globo que o combina o jazz mainstream com as músicas do mundo. O oud, piano e a percussão constroem assim uma paisagem musical que espelha as múltiplas influências de cada um dos músicos.

 

O Outono em Jazz é o pretexto para trazer à Casa da Música algumas das propostas mais vibrantes da actualidade. Na sua sétima edição, o festival continua a revelar a melhor música que se faz sob a capa abrangente de um género marcado pelo culto da improvisação e da inovação. Entre nomes consagrados e novos valores, todas as tendências do jazz são bem-vindas. A programação do Outono em Jazz será anunciada oportunamente.


Classificação etária: Maiores de 6 anos

If you have a promotion code, please enter it below:

When & Where

Sala Suggia
Enough tickets
Sunday, 27 October
21:00

More Info

  • M/6